1 mês de Nina

Há um mês encerrou-se a imensa espera de 41 semanas e 1 dia pra te ver, te tocar, te cheirar. Naquele 15 de novembro, você nascia, e sua mãe também. Bom, é verdade que você nasceu prontinha, enquanto sua mãe se forja aos poucos. Tenhamos paciência!

Devagarzinho, o furacão dos primeiros dias dá lugar a uma relação cada vez mais íntima entre nós duas. Vou entendendo melhor seus sinais, aprendendo a diferenciar seus chorinhos na tentativa de te deixar confortável.

E me derreto cada vez que você me olha nos olhos, como se me dissesse que lembra que, até pouco tempo atrás, era dentro da minha barriga que você morava. Mas aí você fica vesga, põe a língua pra fora cheia de leite, solta um pum daqueles bem altos tudoaomesmotempoagora e eu percebo que aquela troca de olhares foi mais emocionante pra mim do que pra você.

Daí que a nossa convivência fez a palavra amor ganhar um novo significado pra mim. Antes de você eu amei outras pessoas, claro. Felizmente! E ainda amo. Amo muito muita gente. E quero, sinceramente, que cada uma delas seja feliz. Mas com você é diferente; eu PRECISO que você seja feliz. Do contrário, eu mesma não serei.

Vai um pedaço de cheesecake aí?