A falácia das canções de ninar

Como todas as mães, eu compus inúmeras canções de ninar. Sim, porque a gente não se contenta com as clássicas. E nem tô falando de excluir completamente as tenebrosas como “Boi da cara preta”. Acho que as composições maternas vêm da necessidade de incluir nelas o nome dos nossos filhos com o único objetivo de hipnotizá-los. Isso! Mães hipnotizam seus bebês. Ou tentam.

Daí que nessas canções personalizadas, os nomes dos nossos filhos estão sempre acompanhados de predicados como “fechar os olhinhos” e “contar carneirinhos” ou, se são 3 da manhã, vale um versinho mais contundente como “durma agora por tudo o que há de mais sagrado no quadrante alfa antes que eu enlouqueça e saia quebrando tudo por aí”, acompanhado de um sem fim de lágrimas (da mãe, obviamente).

Mas enquanto a pobre mulher usa toda a sua criatividade musical, insistindo numa afinação que simplesmente não possui, desafiando os princípios básicos da métrica e destruindo rimas, a criança está de olhos arregalados no berço, cheia de energia, com uma vontade louca de brincar. E, sim, a mãe adora brincar com aquele trocinho de pouco mais de 4 kg, mas no contrato mãe-bebê, essa atividade é terminantemente proibida em horários não convencionais.

Por que será que os nossos filhos sempre ignoram essa cláusula? Por que? POR QUEEEEEEEEEE?

Eu, a mulher-panda, tentando colocar Nina pra dormir.
Não há corretivo que dê jeito nessas olheiras!

 

8 comentários em “A falácia das canções de ninar”

  1. Line Disse:
    30 de dezembro de 2011 às 00:21

    Ha ha ha!!! Muito bom, Cami! Este blog é, para a minha pessoa, muito educativo. Estou aprendendo muito com os teus textos. Para quando for “a minha hora” eu já ter alguma noção. Rs.
    Beijos e, por favor, continue nos deliciando com estes textos maravilhosos!!!
    Line

  2. Grazi Disse:
    30 de dezembro de 2011 às 00:42

    Amiga, estou amando ver vc colocar em palavras todos os nossos mais particulares sentimentos desta deliciosa e exaustiva experiência que é ser mãe! Parabéns pelo blog!

  3. Jaqueline Disse:
    30 de dezembro de 2011 às 01:37

    Adorei esse mamãe panda, é a minha caaaara! rsrs

  4. Keiko Disse:
    30 de dezembro de 2011 às 01:56

    Esta é a pergunta que não quer falar… mas como tudo nessa vida, “antes de casar sara”, se vc sobreviver até lá, ganha como recompensa entrar na igreja com o pai do noivo (???? Mundo injusto… sério mesmo… mundo injusto, é só isso que eu digo…)

    Agora, pensando bem, até que numa hora dessas dá pra entender o porquê do boi da cara preta, nao?? Parece bem cantiga de mãe deseserada tipo: Filhinha linda, dorme por favor… filhinha dorme… olha menina, ou dorme o ou boi da cara preta vem e te pega, nao??? :-)

    beijos insones…
    Keiko

  5. nadja Disse:
    30 de dezembro de 2011 às 16:50

    que nada! nem abro a boca” naquelas horas”,muito menos eye-contact, nem acendo a luz, nem engajo em nenhum tipo de iteração a nao ser ” o peitinho pra voltar a dormir”, como diz minha amiga beatriz” Nao sou Exu” !

  6. Aline Disse:
    4 de janeiro de 2012 às 05:19

    Nadja, o peito é bem legal pra acalmar os bebês. Graças a Deus existe o mamazinho! rs

  7. Renatinha Disse:
    6 de fevereiro de 2012 às 21:58

    Preciso ir dormir mas nao to dando conta. To dando gargalhadas! Parece que to lendo sobre mim mesma. Giovana tá com 4 meses e acho que ela vai adorar conhecer a Nina!!!

  8. Helena Disse:
    9 de fevereiro de 2012 às 23:21

    O segredo nessas horas é fazer cara de zumbi e não olhar nos olhos. E segurar o riso… rs
    Menina, eu inventei músicas tb!! Me lembro de uma madrugada em que fiquei especulando sobre “O Cravo e a Rosa”: “então é por isso que tantas mulheres sofrem, se humilhando perante os machos! A culpa é dessa Roooooosa, essa psicopata, que insufla nas nossas mentes a ideia de que devemos ‘brigar na sacada’, nos despedaçar, e ainda assim se debandear para a casa do infeliz do Cravo qdo ele fica doente!!”
    Menina, um mundo se revelou aos meus olhos nesse momento. Juro. E deviam ser 03 da manhã… Dei de cantar “O Cravo ficou doente, a Rosa mandou pastar, o Cravo teve um desmaio, e a Rosa à gargalhar”… kkk Eu devia estar meio lelé pós-parto! kkkk
    Tinha outra que eu cantava qdo ele não queria comer… Ih, me pergunta depois que te conto como era, anotei num caderninho, mas agora esqueci! Chamava “eu não sei papar”. Em breve vc precisará dela… rs
    Bjs! ;)

Comente